Tag Archives: Carioba Americana

Saída Fotográfica em Carioba e Engenho Central de Piracicaba

Na quinta-feira dia 29 de novembro de 2012 estive em companhia dos amigos Nascimento e Benites visitando o bairro de Carioba que fica no Município de Americana. Neste bairro existe há muitos anos muitas tecelagens… Algumas destas tecelagens estão funcionando em prédios antigos e a nossa intenção foi de clicar algo por lá. Assim que chegamos notamos que o lugar apresenta alguns prédios mais modernos e conservados e outros velhos e ainda, alguns, abandonados. De qualquer forma achamos boas oportunidades para capturar umas imagens interessantes.

No mesmo dia no período da noite, desta vez apenas eu e o amigo Benites, estivemos fotografando o Ballet “Quebra Nozes” do grupo CEDAN de Piracicaba no Engenho Central como uma das atrações do projeto Luz e Arte da Prefeitura de Piracicaba.

Veja as duas galerias com as fotos de Carioba e do Ballet:

Clique aqui para entrar na Galeria de Fotos de Carioba…
Clique aqui para entrar na Galeria de Fotos do Quebra Nozes…

Nove dias na Patagônia Chilena

Acabo de regressar da Patagônia Chilena… Estive fotografando todos os dias, mas tive que trabalhar um pouco também dando treinamentos para um grupo de mesa-tenistas que fazem parte da Fran TT Patagônia e da Seleção da Região de Aysen. Foram dias maravilhosos… Pude respirar todas as manhãs o ar das montanhas e do campo… Eu cliquei pessoas, animais, paisagens, cachoeiras, pastagens, um pouco de tudo e de tudo um pouco. Meus três primeiros dias foram marcados por muita chuva, ventos, frio e por um acidente que tive quando caí e bati a cabeça numa pedra e acabei parando num hospital, mas me recuperei bem… Mesmo no dia do meu acidente, aliás, meu primeiro dia na Patagônia fotografando, eu acabei fazendo algumas fotos.

Todo o tempo estive no Hotel Bagual palavra que significa algo como animal selvagem ou não domesticado, na cidade de Coyhaique. Para chegar a esta cidade: São Paulo eu fiz um voo de 4 horas até Santiago e depois mais 3 horas de voo até Coyahaique. Quando cheguei lá estava o meu amigo Marco Navarro técnico de Tênis de Mesa e professor. Ele acabou sendo uma grande companhia nas saídas fotográficas e a cada dia se empolgava mais já que eu pude passar algumas técnicas e dicas de como capturar melhor suas imagens.

As minhas imagens capturadas na Patagônia estão na galeria de fotos abaixo…

Clique aqui ou na imagem acima para ver a Galeria com as fotos…
Clique aqui ou na imagem acima para ver a Galeria com as fotos…
Clique aqui ou na imagem acima para ver a Galeria com as fotos…

Saidinha Fotográfica na Fazenda da Família Coury

Sexta-feira dia 26 de outubro e pouco antes do almoço eu recebi uma ligação do meu amigo Lula (Luiz Coury): “Fran eu estou na fazenda aqui em Rio das Pedras e o lugar esta repleto de árvores floridas, pétalas no chão, tudo lindo; você quer vir fazer umas fotos?”. De imediato disse que queria sim, mas teria que dar uns telefonemas. Eu chamei os parceiros de saidinha o Nascimento, Benites e o Marcelo Libardi (que esta de férias da Catterpilar então tá com tempo…). O Nascimento tinha médico e não pode seguir conosco, mas Benites e Marcelo toparam.

Liguei de volta para o Lula para combinarmos um ponto de encontro em Rio das Pedras. Chegamos por volta das 14:30 horas e seguimos para a fazenda. Assim que o portão se abriu pude ver um corredor de árvores lindas, todas floridas, uma cena de cinema. Paramos os carros e começamos a fotografar. Não canso de dizer que minha maior frustração em fotografia é ver uma cena e não conseguir retratar.

Clicamos por uns 30 minutos e começou a chover. De início uns poucos pingos que incomodava, mas nós seguíamos firme… Depois a chuva aumentou… Tivemos que voltar para os carros e seguimos para a sede da fazenda. O Lula ofereceu água e nos presenteou com o café que é cultivado na fazenda, jogamos conversa fora e nada da chuva dar uma trégua… Esperamos bastante e nada, então decidimos regressar… Seguimos para a saída da fazenda e de fronte ao portão eletrônico ele resolveu não abrir. Aguardamos por alguns minutos pelo gerente da fazenda para liberar manualmente o portão. Quando o sujeito chegou a chuvada dava mostrar de que pararia.

Alguém disse, acho que foi o Marcelo logo endossado pelo Lula: “A chuva tá parando, vamos voltar e começar outra fez a fotografar?”. Não pensamos duas vezes, demos meia volta e reiniciamos a sessão de fotos.

Eu já havia estado nesta fazendo fotografando há uns 8 anos atrás… Sempre eu dizia ao Benites e ao Nascimento, companheiros de saidinhas fotográficas, que gostaria de voltar àquela fazenda porque tinha um potencial enorme para boas fotos. O destino conspirou para que pudesse voltar lá. Curti cada momento, um ligar maravilhoso que estava bordado de flores e pedindo para ser fotografado.

Veja abaixo na galeria todas as imagens da Fazenda da Família Coury.

Clique aqui para ver a galeria de fotos da Fazenda da Família Coury…

Mais uma saidinha dos amigos…

Tudo estava programado para sairmos na quarta-feira para mais uma saidinha com os amigos, mas por problemas de chuva e de negativas de lugares que visitaria além de ter que levar meu carro para a revisão eu tive que abordar a saidinha. O amigo Marcelo Libardi (que esta de férias da Catterpilar) acabou conseguindo a liberação do carro por parte da sua esposa (risos) e de última hora Marcelo, Benites, Nascimento e eu seguimos para o Zooparque que fica no município de Itatiba (entrada no quilômetro 95 da rodovia – D. Pedro I). Quem gosta de animais e ou pretende fazer um belo passeio fica aí uma dica: visite o Zooparque.

O Parque Zoológico: Zooparque é limpo, muito bem cuidado, bem cuidado, belos e muitos animais, o lugar é completamente arborizado, conta com restaurante e lanchonete no local. Agora se prepara para caminhar pela trilha que sobe e desce num longo percurso.

Fiz muitas fotos e algumas eu gostei muito do resultado.

Veja na galeria abaixo:

Clique aqui para ver a galeria de fotos do Zooparque…

SEM LENÇO E SEM DOCUMENTO, NADA NOS BOLSOS OU NAS MÃOS…

Quando jovem eu cantava uma música de Caetano Veloso que diza: “Sem lenço e sem documento, nada nos bolsos ou nas mãos…”. Neste momento eu me via deixando estudo, trabalho, enfim, tudo, para fazer uma aventura. Seguir para algum lugar sem lenço e sem documento, nada nos bolsos ou nas mãos. Tudo não passava de sonho e ilusão, mas reconheço que estas palavras sempre estiveram presentes em minha mente. Agora que praticamente regressei da minha longa caminhada profissional e, estou curtindo a aposentadoria, tenho exercitado mais e mais aquelas palavras que diziam para sair para algum lugar sem preocupação, só para ver o que pode rolar. Rapidamente eu percebi que parte da letra é possível realizar e a outra não… Quer dizer: sem lenço e sem documento até que é possível, mas não dá para estar sem dinheiro e sem minha câmera nas mãos…

Tinha viagem marcada para Monterrey no norte do México, que acabou sendo cancelada por problemas de segurança surgidos com a morte de um narcotraficante importante que ocorrera por lá. Surgira uma chance inesperada de sair para algum lugar. Logo busquei meus parceiros de saidinhas fotográficas: Benites e o Nascimento para articularmos alguma saída. O Nascimento não quis sair porque tinha alguns compromissos agendados e por estar em tratamento médico. Para me acompanhar sobrará o Sancho Pança (é assim que o Benites é chamado por minha esposa e filhos). Eles dizem aqui em casa: “você parece Dom Quixote, com seus devaneios e ainda por cima tem o Benites Sancho Pança para segui-lo”. Liguei para combinar uma saída com o Benites, ou melhor: Sancho Pança… Mal eu terminei de falar minha ideia ele foi logo dizendo: “Vamos nessa Fran…”.

Aonde ir? Vamos a Cunha? O Carlos ABC, meu irmão, esteve lá e regressou entusiasmado com a cidade. Então vamos lá Benites? Você quem sabe, eu topo. Saímos na manhã da quinta-feira e seguimos os cerca de 400 quilômetros até chegar a Cunha. A viagem foi boa, tudo correu bem. Chegando a cidade eu liguei para uma amiga de muitos anos a Rute que mora em Cunha para que ela nos ajudasse a conhecer o lugar.

Primeira parada foi em um lugarejo que fica na zona rural não muito longe da cidade. Não me pergunte o nome que meu cérebro veio com um chip faltando (entre outros) que não me deixar guardar nomes de nada… Quando nos aproximávamos do lugar vimos do alto o lugarejo com uma igreja e algumas casas ao redor. Chegamos… Fomos apresentados às senhoras que ali trabalham com artesanato, tudo feito com fibra de planta da Taboa. Que coisa interessante, caprichada, talentosa, feito com muita paciência e o principal: uma pitada de amor por aquilo que fazem.

Depois de jogar algumas conversas fora começamos clicar o lugar. Primeiro a igrejinha, depois as arteiras artesãs da fibra de Taboa. Ofereceram-nos café e em seguida voltamos ao centro de Cunha. Fomos para o centrinho onde havia alguns prédios antigos. Quando eu avistei o antigo prédio do mercado municipal fui logo estacionando o carro… Saquei meu equipamento e dá-lhe fotos: a entrada, a banca de frutas, uma lojinha de sapatos… Todos que andavam por lá ficaram curiosos com a nossa presença, mas ao mesmo tempo sempre se mostraram muito simpáticos e receptivos.

Fim de tarde, voltamos a nossa pousada… Depois do jantar saímos novamente para clicar a catedral de Cunha que foi construída no início dos anos de 1800. Fomos dormir pensando o que faríamos pela manhã… Para o dia seguinte a amiga Rute não poderia mais nos ajudar já que tinha uma importante missão logo cedo: apanhar Taboa no brejo, a matéria prima dos seus artesanatos…

No dia seguinte acordamos e logo veio à pergunta: sem lenço e sem documento tá bem, mas para onde vamos? O Benites deu a ideia para visitarmos uma fábrica de cerâmica ou seguir para Parati que fica apenas cerca de 45 quilômetros de Cunha. Um dia antes de sairmos para a viagem, ainda em Piracicaba, o Benites veio a minha casa com um mapa mostrando que São Luis do Paraitinga era próximo a Cunha. Deu um estalo e eu resolvi seguir para lá. De Cunha a São Luis do Paraitinga são apenas 48 quilômetros. Dura ilusão… A estrada é péssima, cheia de curvas perigosas e os 48 quilômetros foram percorridos em incríveis duas horas. Mas valeu a pena.

Chegando a São Luis do Paraitinga (esta é aquela cidade que há alguns anos atrás foi praticamente destruída pelas enchentes…) paramos o carro no centro velho e histórico. Uauuuu… Logo de cara ficamos empolgados com o que víamos: prédios velhos, coreto da praça muito colorido e bem cuidado, não deixamos de perceber que ali antes estava a Catedral de São Luis do Paraitinga que foi ao chão completamente com as enchentes… No momento que vimos à área da igreja cercada e em restauração veio uma sensação ruim de que poderíamos encontrar mais destruição.

Nada disso, seguimos por uma viela e surgiram casas coloridas, antigas, as pessoas sorrindo, muita gente se movimentando e nós clicando. Subimos, descemos, conversamos com as pessoas locais… Para o bem da verdade o Benites com sua tradicional “conversa fiada” logo ia fazendo amizade aqui e ali.

Ficamos encantados com a cidade, com seu povo e com a índole daquela gente que mesmo com a adversidade se mobilizou, recuperou muita coisa e segue trabalhando para que tudo volte ao normal.

Era hora de partir… Seguimos de São Luis do Paraitinga até a Dutra para regressar a Piracicaba… Agora sim: nada nos bolsos, hehehehe… E nas mãos tinha algo?  Muitas fotos que você pode ver melhor nas galerias que foram postadas abaixo.

Clique aqui para ver a galeria com as fotos de Cunha…
Clique aqui para ver a galeria com as fotos de São Luis do Paraitinga…

Saidinha Fotográfica: Serra de São Pedro

Depois de algum tempo sem promovermos nossas saidinhas fotográficas os aposentados voltaram nesta quarta-feira, dia 3 de outubro de 2012, com um passeio curto na Serra de São Pedro. Benites, Nascimento e eu saímos umas 15:30 da tarde e a principal ideia era de fazermos alguma coisa mesmo que fosse clicar umas poucas imagens. Seguimos a Serra de São Pedro e fomos parar em cima da serra num local que tem uma vista linda. Fizemos algumas imagens ali e depois seguimos no sentido de Brotas. No caminho avistei umas flores laranja lindas (me parece que se chamam Flores de São João…) que estavam incrustadas nuns troncos velhos e apodrecidos. Clicamos mais um pouco até regressarmos a Piracicaba. As fotos podem ser vistas na galeria abaixo.

Clique aqui para ver todas as imagens…

Dois momentos marcantes…

Estou com parte da minha família na Flórida – USA e dois momentos marcaram minha viagem até aqui. A primeira ocorreu no Mundo das Borboletas que fica em Coconut Creek na quarta-feira, dia 20 de setembro de 2012, quando estávamos caminhando e vendo as borboletas um pássaro aterrissou na cabeça de uma senhora e começou a dar bicadinhas. Acho que o pássaro pensou em se instalar na cabeça da senhora pensando que seria perfeito para um nicho. De início a senhora se assustou, mas depois de se dar conta do que se tratava curtiu a presença do pássaro. Eu com a câmera na mão não perdi tempo e registrei a cena.

Outro momento marcante aconteceu hoje, dia 22 de setembro de 2012, no Zoológico de Miami. Estávamos vendo a área destinada aos Gorilas. Num determinado momento eu percebi que um gorila macho levantou e começou a caminhar. Percebi que ele iria em direção a uma fêmea que estava do lado oposto de onde ele vinha. Antecipei e caminhei rapidamente para o costado da gorila fêmea e passei a esperar pacientemente pelo macho. Alguns instantes depois ele chegou onde estava a fêmea e sentou ao seu lado. Valeu a pena estar de tocaia ali porque percebi que o Gorila macho tinha uma luz linda no seu rosto e não perdi tempo em registrar.

Primeiras imagens com a Nikon D800

Fiz algumas imagens para testar a minha nova câmera Nikon D-800

Estou nos Estados Unidos, mais precisamente em Fort Lauderdale – Florida e adquiri uma nova câmera Nikon D-800 que tem impressionantes 36 megapixels de resolução. Hoje fiz minhas primeiras imagens com a D800 e a experiência de ver as imagens na minha tela do computador e poder amplia-las foi uma experiência recompensadora. As imagens são incríveis, os detalhes minúsculos que são capturados quando ampliados revelam detalhes impressionantes. Fiquei muito abismado com o resultado final de cada uma das minhas imagens deste teste. As imagens eu fiz no meu hotel e não teve a pretensão de ser nada espetacular quando aos lugares, apesar de ser um lugar muito bonito onde estou hospedado.

Vejam as imagens clicando nas miniaturas abaixo para que elas abram em tamanho maior…